Monday, November 16, 2015

herança


ninguém nunca te disse
que podia ser

d’outra maneira

não podias errar a casa decimal
procuravas a justiça e o amor
bem que te fodeste
digo,
encarquilhaste

d’essa maneira

herdo um dizimo da casa
herdo a tristeza que não paga dívidas
herdo a liberdade de quem não tem 
pinheiros 
e a culpa de os arrancar 
para ler um livro

de madrugada



No comments: