Sunday, November 05, 2017

Phoo-Doo


doing what
you love the most

dying of  what
you love the most

drying out what
you love the most

Saturday, September 30, 2017

Internamento/Admission


o desentendimento
é sobre o estatuto ontológico
da cefaleia.

numa escala de zero a dez
a minha cabeça vai explodir
mas nego lesões cutâneas.

são horas de comer.

imagino que os carrinhos de tabuleiros
são comboios a grande vitesse
a fazer parar macas camas
cadeiras de rodas. enfim tráfego
terrestre de tantas pessoas
no mesmo barco

à noite, o barulho
da ventilação não me deixa
dormir. fecho
os olhos, isto é
agora um motel americano
daqueles onde se fode muito
como se fosse a última vez

juro que lhe sinto 
a pontinha
do baço

à noite, o barulho
da ventilação não me deixa
dormir. fecho
aqui tosse-se muito
como se fosse a última vez

aqui tudo tem a textura
de uma última vez

no mesmo barco

suplico endovenoso, que aprendi
a dizer. e nada
de luz directa








Wednesday, June 28, 2017

cada família 
um alçapão.

para um lugar
muito escuro
escancarado

cada pé
a dizer não

faz-se raíz

Monday, June 19, 2017

  
com A., para A. 



não tinham dinheiro
para detalhes


o caminho dos incêndios

é perder filhos
              palácios


Thursday, June 01, 2017


nao vás à água


tive que

os deitar fora


passar ao largo

do mediterrâneo




Monday, February 27, 2017

Tra-dedo-sãos

enrolar a língua

watch your tongue
não é olhar a língua

ao enrolar a língua
dá-se a morte do autor

poetic depth
poetic dead

sento-me a velar o morto
para depois

enrolar a língua



olhava para o penhasco
e dizia
vou-me matar
para tu não me matares
.
e acordava
com terra na boca
e o cabelo salgado