Wednesday, July 18, 2018

Bonanza


agora que a tempestade
passou
outras
areias
entram nos olhos
e tenho pouco espaço
de armazenamento.

vieram entregar-ma
num caixote
e tampouco
são rosas,
senhor não-binária.


nunca pensei
que fosse sinalizada

Friday, November 24, 2017

Sunday, November 05, 2017

Phoo-Doo


doing what
you love the most

dying of  what
you love the most

drying out what
you love the most

Monday, June 19, 2017

  
com A., para A. 



não tinham dinheiro
para detalhes


o caminho dos incêndios

é perder filhos
              palácios


Thursday, June 01, 2017


nao vás à água


tive que

os deitar fora


passar ao largo

do mediterrâneo




Monday, February 27, 2017

Tra-dedo-sãos

enrolar a língua

watch your tongue
não é olhar a língua

ao enrolar a língua
dá-se a morte do autor

poetic depth
poetic dead

sento-me a velar o morto
para depois

enrolar a língua



olhava para o penhasco
e dizia
vou-me matar
para tu não me matares
.
e acordava
com terra na boca
e o cabelo salgado

Thursday, May 26, 2016

"homesickness"


casa onde não há pão
todos ralham
e ninguém tem razão

casa onde não há pão
há casa
e renda

casa onde não há pão
amores todos os dias
enlatados

casa onde
não há




Saturday, February 27, 2016

"Jardim" // "o sol aceita a pele para ficar"

recensão visual da 'expoemização'-vigília JARDIM 
de joão almeida
"o sol aceita a pele para ficar"



I

leio os últimos poemas que escrevi // escrevo poemas a partir daqui


II


"tu não fazes só poesia por questões líricas"


III



*grátisfracassadaimperfeitaluminosacontaminadasublimelocalexpandidatrêsdêromanticapossívelagrafada
últimos
os
escrevi
que
poemas
últimos
os
leio
  

TU pqp pqp pqp
pqp pqp pqp NÃO FAZuriqueESublime 
só SÓ SÓ SÓ 
POESIA*
por QUESTÕES 
LÍRICAS*


* fetatencionfetatencionfetatencionfetatencionfetatencionfetatencionfetatencionfetatencion

escrevo poemas a partir daqui







Wednesday, December 09, 2015

"com licença poética"


intrigavam-na as que se passeiam com os seus rebentos de soja. se tiver um, já é muito. enquanto seca a pele ao sol. quanto tempo falta para secar tudo. de velhinho se torna menino. dois então. tem dois, já é muito. e há oráculos que profeciam um síndrome em vez da barriga. faz de conta que o corpo é imperturbável. que as noites são bem-dormidas. que anunciaram o fim do facebook, das frentes nacionais e da venda de armas. em contra-relógio faz de costas contas à vida. o auferido e por-ferir. é um tanto para o centro-dia e outro tanto para as iminências. se ao menos fosse grelada. mas hoje é 3aF e ainda vai a tempo de perder o euro milhões de festas. 
[facultativo: à-men, à-mãe, amei.

"somos poeira de estrelas"


O mapa está escondido
no céu da tua boca
apenas um dos heterónimos se esqueceu
onde deixaste

eu mesma ainda agora tinha aqui um
debaixo da língua
mas o sangue lavou-o

em todo o caso
é procurar a ilha amarela
follow the yellow brick road

encontramo-nos a meio caminho
the poet is (a) present





Wednesday, November 04, 2015

contratura muscular


os meus livros
estão todos
do lado esquerdo

de quem vai a sair
p'la boca




Jogos de Poder


na cadeira

sentadas

a arte como vida

a vida como arte

empurram-se

uma à outra



Friday, October 30, 2015

Tiragem


já nem pelos dedos de uma mão
se contam @s meus amig@s.

ó grácio! já dá pra fazer uma edição
de cinco exemplares
sem que se esgote
apoesia








Friday, October 23, 2015

the new romantics


a cynical transfer
falling in deficit
a common currency
a single currency
looking for
a glimpse of goodness

can we discuss the rules?
no
why? 
because they’re the rules 
designated to fail in love


private debt to feed public mouths
in the breach
blood
on the snow
white elephants
as money sitting there
doing nothing for us

if only
a dangerous animal
lecturing on economics-for-all

in the journey crossing over
Eurozone


find a a river boat
and start to
sink

sing



Sunday, October 11, 2015

a vida adiada

"cantiga de s. joão"
(...)
"Olha a noite como corre
como passa tão depressa
amigos a noite morre
quando é que a manhã começa?

Quando é que a manhã começa
que é para a gente começar
dos pés até à cabeça
a mexer a respirar?"
(...)
Mário de Cesariny

Thursday, October 08, 2015

external politics


clapping with a metronome

to the mistakes and grammatical oddities

which will end up as retentions

where the method of systematic doubt can be applied

while the traffic controlling operations

shepherd visitors in a certain direction 

'get out’ 
requires instant compliance

Wednesday, October 07, 2015

my private (a)f(f)airs


wax figures

aerial and terrestrial

strong people

as

unplayable techniques

trained animals

lined-up

for

containing a large number of entries

and for

being one of the first

repertoire of deceptions

something like thirty different methods of cheating at cards
that never work

like breeding tiptoe(r)s

the acceptance of “utility”

as in

never quit performing on the rope



Monday, October 05, 2015

desesperança


não há ninguém indicado

/a

para


reagir

.




Thursday, September 24, 2015

morTal da hisCória


rejeitada de par em par


perdi a luta a par e passo